Tabela Price e Gradiente: Formas de quitar um financiamento

Chegou a hora de ir em busca de um financiamento para investir na casa própria, e além de buscar informações sobre as melhores condições do mercado, é fundamental entender a diferença entre as possíveis formas de pagamento de um financiamento, sendo assim, você evita que o sonho da casa própria se torne um pesadelo.

Composição de uma parcela

 

Geralmente os financiamentos imobiliários utilizam os mesmos componentes para determinar o valor das parcelas de quitação do empréstimo. São eles: valor do imóvel, taxas de juros aplicadas e os seguros. As taxas de juros são atreladas ao valor do imóvel e a quantidade de parcelas que o cliente optou, é uma forma de a instituição ser compensada pelo período que ela ficará sem o dinheiro que foi emprestado. Já os seguros dizem respeito a uma pequena porcentagem reservada para cobrir eventuais perdas financeiras em caso de morte ou dano imobiliário.

Amortização

 

No momento de contratar um financiamento imobiliário, você precisa escolher a forma como deseja quitar essa dívida. A redução do valor total de uma dívida através de pagamentos periódicos até sua quitação é conhecido como amortização. Cada instituição e tipo de financiamento pode adotar uma forma de amortização. Nesse artigo nós vamos abordar dois tipos de amortização: a Tabela Price e a Tabela Gradiente.

Tabela Price

 

A Tabela Price também conhecida como Sistema Francês de Amortização (SFA) é uma opção de amortização. Nesse sistema todas as parcelas ou prestações tem o mesmo valor até que a dívida seja quitada. Para calcular o valor das prestações, a Tabela Price considera o preço presente do imóvel escolhido, a taxa de juros aplicada a esse valor e o tempo para pagamento do valor total dessa dívida, sendo assim, o valor total da

parcela será a soma desses elementos dividido pela quantidade de prestações escolhida pelo cliente. É importante lembrar que as parcelas sofrerão pequenos reajustes referentes a inflação, considerando as taxas IPCA e IGPM.

No sistema da Tabela Price você paga juros em cima do valor do saldo devedor, esse saldo corresponde ao valor do imóvel. Uma parte da parcela é para pagamento do imóvel, e outra para o pagamento dos juros. Reduzindo-se o saldo devedor, diminuem também os valores referentes ao pagamento dos juros. Nesse caso, parte do valor das primeiras parcelas do financiamento sempre será para liquidar o percentual de juros.

Com o passar do tempo a parte de uma prestação que é dedicada ao pagamento dos juros irá diminuir, enquanto o valor dedicado a quitar o preço do imóvel irá crescer, no entanto, os valores das parcelas permanecerão os mesmo até que tudo seja quitado.

Tabela Gradiente

 

A Tabela Gradiente é outra opção de amortização. Nesse modelo, diferentemente da Tabela Price, há uma variação nos valores das parcelas, os valores são crescentes, ou seja, o cliente começa pagando uma quantia mais baixa e termina pagando uma quantia mais alta.

Nas primeiras parcelas, o valor é mais baixo do que o valor referente aos juros mensais em cima do total financiado. Isso quer dizer que inicialmente o cliente não estará pagando nem os juros do valor financiado. Assim o saldo devedor irá aumentar, e consequentemente os juros também serão maiores. No sistema de amortização da Tabela Gradiente o cliente terá que arcar com os pequenos aumentos básicos referentes à inflação, taxas IPCA e IGPM, e também com as taxas de juros mensais atreladas ao montante que resta da dívida.

Price x Gradiente

 

Os dois sistemas possuem suas vantagens e desvantagens. Escolher qual deles é o melhor, é uma tarefa impossível, porque se trata de uma escolha particular em que é

preciso analisar a realidade financeira de cada cliente e quais são suas prioridades de vida naquele momento.

A Tabela Price muitas vezes é escolhida por facilitar o planejamento financeiro, uma vez que o valor das parcelas mensais é o mesmo durante todo o financiamento, sofrendo apenas pequenas variações decorrentes da inflação. Isso ajuda bastante a deixar o orçamento nos trilhos, manter o compromisso com as parcelas em dias, além de evitar sustos com aumentos inesperados e futuras dívidas.

Em contrapartida, a Tabela Gradiente é interessante para pessoas que estão ascendendo profissionalmente, ou terão um bom aumento dos seus rendimentos em pouco tempo. No entanto é preciso analisar se o aumento de ganhos será suficiente para lidar com o aumento das futuras parcelas sem comprometer o orçamento.

Agora que você já sabe as diferenças desses dois tipos de amortização é importante colocar as contas na ponta do lápis, analisar sua renda e suas despesas para entender quais são as possibilidades e qual tipo de financiamento é mais atrativo de acordo com a sua realidade. Lembre-se de não fechar um contrato de financiamento sem antes fazer um planejamento financeiro e organizar o orçamento. Isso te ajuda a evitar dores de cabeça e endividamentos excessivos.

De qualquer forma, adquirir um lote para construir quase sempre é o melhor negócio para se alcançar a casa própria, uma vez que te dará margem para construir do seu jeito e no seu tempo.

Se precisar de ajuda conte com a BrDU Urbanismo. Nós temos um time de corretores de primeira para tirar todas suas dúvidas, além de parcerias com instituições financeiras de confiança para te ajudar a realizar o sonho da casa própria. Entre em contato e venha tomar um café conosco. Você é sempre bem vindo!

Leia mais

Infraestrutura e qualidade de vida

A casa própria é um dos grandes sonhos de todo brasileiro, e realizá-lo envolve muito planejamento e análise antes de qualquer tomada de decisão. Neste artigo, vamos falar a respeito da infraestrutura de um loteamento para te ajudar a entender quais os pontos precisam ser observados antes de se adquirir um lote.


O que é um lote?

 

Quando estamos em busca de uma área para construir nosso imóvel dos sonhos, nos deparamos com a venda de lotes e terrenos. Aparentemente as duas palavras são usadas para representar a mesma coisa. No entanto, apesar de estarem relacionadas, existe uma diferença que as separam. Vamos entender qual é: Um terreno é um pedaço de terra, urbano ou rural, reservado para construção de imóveis, ele pode ser vendido por inteiro ou dividido em partes, que costumam ser do mesmo tamanho e então são chamados de lotes. Um lote é uma parte de um terreno, e é definido na Lei de Parcelamento do Solo Urbano (Lei nº 6.766, de 1979).

Para ser caracterizado como um lote, o terreno deve conter infraestrutura básica cujas dimensões atendam aos índices urbanísticos definidos pelo plano diretor ou lei municipal para a zona em que ele esta situado. Ou seja, a área precisa atender a todos os requisitos e conformidades exigidas pelas leis regionais e nacionais.

É preciso ficar atento com negociações que afirmem que a infraestrutura local será implantada posteriormente pelo poder público ou que é parte das responsabilidades do comprador. Conforme foi dito, por lei, não é permitida a existência de lotes desprovidos de infraestrutura básica.


Infraestrutura básica

 

Agora que você já sabe que diferentemente de um terreno, um lote precisa servir de infraestrutura básica, vamos entender o que faz parte dessa estrutura.

De acordo com a lei nacional, a infraestrutura básica dos parcelamentos de terra é constituída pelos equipamentos urbanos de escoamento das águas pluviais, iluminação pública, esgotamento sanitário, abastecimento de água potável, energia elétrica pública e domiciliar e vias de circulação pavimentadas ou não. Além da exigência nacional, também existem as diretrizes urbanísticas regionais referentes a essa infraestrutura básica.

 

Saneamento básico

 

O conjunto de procedimentos relacionados ao abastecimento de água potável, escoamento das águas pluviais, coleta e tratamento de esgoto, cujo objetivo é garantir melhores condições de vida para os habitantes, é denominado saneamento básico. É primordial para o atendimento das necessidades básicas, indispensável para garantir mais saúde no controle de fatores que oferecem risco ao bem estar físico, mental e social do ser humano.

O uso de sistemas urbanos de escoamento das águas pluviais se tornou essencial em decorrência do desenvolvimento das cidades, e a consequente substituição da vegetação natural por revestimento asfáltico. A impermeabilização do solo faz com que a água das chuvas escoe de maneira diferente do natural, geralmente com maior volume e velocidade sem conseguir penetrar no solo.

Procure se informar se o loteamento, ou área escolhida para construir, possui sistema de drenagem urbana. Ele é composto pela rede de macrodrenagem ou drenagem principal, formada pelos cursos d’água existentes no local, como rios e canais. A rede de microdrenagem é quem envolve pequenas e médias galerias, incluindo as sarjetas, boca de lobo, tubulações para conduzir as águas e os poços de visita por onde é feita a manutenção da rede. A ausência ou mau funcionamento dessa estrutura pode causar problemas com alagamentos e enchentes, acarretar perdas materiais e também se tornar um risco a vida.


Energia elétrica e iluminação

 

Você já parou para pensar como seria sua vida sem energia elétrica? Infelizmente essa ainda é a realidade de muitas famílias no Brasil. Hoje o acesso à energia elétrica e ao sistema de iluminação pública é parte dos itens básicos de infraestrutura exigidos por lei para regulamentação comercial de lotes. A instalação de equipamentos urbanos e construção das redes de energia elétrica domiciliar garante maior qualidade de vida para o morador e sua família.

O sistema de iluminação pública permite que os habitantes desfrutem dos espaços públicos no período noturno. E tem como objetivo fornecer visibilidade suficiente para assegurar segurança, conforto e eficiência para o trânsito de veículos em ruas e rodovias, para os pedestres nas calçadas e em parques e praças.

Um ponto interessante e que pode ser vantajoso é em relação ao uso de lâmpadas e luminárias de LED, elas são energeticamente mais eficientes, e consomem menos energia. Procure saber também a respeito da qualidade dos produtos utilizados, porque a falha precoce dos equipamentos pode gerar necessidade de manutenção e reposição, possíveis problemas de segurança elétrica, baixa visibilidade e luminância exigida.

Todos os itens referentes a infraestrutura básica mencionados anteriormente são garantidos por lei. Existem muitos aspectos técnicos para assegurar a qualidade de cada ponto da infraestrutura, por isso, a melhor forma de confirmar se está tudo certo é verificar, na sua cidade, junto aos órgãos responsáveis pela regulamentação de cada serviço, se o lote possui todas as certificações necessárias. Assim você pode investir com mais tranquilidade.

Para não se preocupar com toda a burocracia em torno dessas normas e regulamentações obrigatórias, possíveis problemas com infraestrutura, e outros detalhes, muitas pessoas optam por adquirir seu lote diretamente com uma empresa que trabalhe com loteamentos.


Mais qualidade de vida

 

Além dos itens básicos, os loteamentos também podem oferecer outras benfeitorias, como sistema de portaria, monitoramento por câmeras, áreas de convivência, praças, playground, espaços para prática de exercícios físicos, quadras de esporte, sistema de portaria, área verde e outros espaços estruturados para proporcionar qualidade de vida e valorização local do terreno.

A existência de uma infraestrutura de qualidade é primordial para o atendimento das necessidades da população, desenvolvimento e crescimento local, no entanto, é fundamental que ela funcione bem. Não se esqueça de buscar informações sobre a manutenção de tudo que é oferecido, desde a estrutura básica ao diferencial.

É importante saber se o loteamento possui uma política interna que determina os responsáveis pela administração e conservação, qual a periodicidade dessa manutenção, e tudo que envolve o bom funcionamento das infraestruturas disponibilizadas para que você e sua família possam aproveita-las da melhor forma possível.

O foco da BrDU é transformar terrenos em comunidades, por isso temos muito orgulho de investir em infraestruturas de qualidade que proporcionem melhores condições de vida aos moradores e ajudem no desenvolvimento da comunidade local.

Leia mais

Casa ou apartamento? Eis a questão.

Um dos maiores desafios na hora de comprar um imóvel é, escolher entre uma casa ou um apartamento. Temos diante de nós uma infinidade de fatores a serem analisados, e todos eles parecem igualmente importantes. Se você está neste momento, procurando o que é o melhor para você e sua família, vai entender perfeitamente o que estamos falando. E para te ajudar nessa, nós reunimos algumas das vantagens e desvantagens de cada tipo de imóvel.


Para começar…

 

Antes de tudo, você precisa conhecer bem seu estilo de vida e suas necessidades diárias. Esse autoconhecimento torna possível a análise das particularidades de cada tipo de imóvel pelo que é mais adequado para você. Muitas vezes o que é um ponto positivo para a maioria das pessoas pode não ser para você, e vice-versa. Para um casal com filhos, por exemplo, a infraestrutura de lazer de um prédio é tida como uma vantagem, no entanto, para um jovem que acabou de sair da faculdade ela pode representar gastos maiores em decorrência do condomínio e tende a ser uma desvantagem.

Geralmente, um ponto positivo virá acompanhado de um negativo. Mas a partir do entendimento da sua rotina, você coloca todos os prós e contras na balança e assim pode tomar uma decisão mais assertiva. Confira algumas das vantagens e desvantagens de se morar em uma casa e em um apartamento.


Casa – Espaço e Autonomia

 

A questão do espaço é a vantagem mais falada pelas pessoas que optam por morar em uma casa, principalmente pela possibilidade de espaços extras. É fator decisivo para famílias maiores, porque é possível ter áreas externas particulares; um ou vários animais de estimação, jardim para cuidar das plantas e também, criar espaços de lazer personalizados com churrasqueira ou piscina, por exemplo.

Outro ponto importante é que, esse espaço físico maior reflete diretamente no nível de privacidade do morador, afinal, é ele quem escolhe quem pode ou não entrar na sua casa. A distância dos vizinhos também é maior do que nos apartamentos, então, é possível aproveitar as áreas externas sem a necessidade de conviver com pessoas desconhecidas.

A autonomia é um dos pontos que pesam bastante durante o processo de escolha. Optando por morar em uma casa, é você quem estabelece as regras, pode realizar mudanças no imóvel da forma como quiser, e no tempo que preferir, diferentemente do que ocorre em apartamentos, onde há mais burocracia e é preciso respeitar as normas impostas pelo condomínio.


Para colocar na balança

 

Em comparação aos apartamentos, os pontos nem tão positivos assim, envolvem gastos mais altos com a manutenção obrigatória, consertos e melhorias, que ficam a cargo do proprietário. Além dos custos financeiros, a demanda de tempo também deve ser considerada, uma vez que, tudo que precisa ser resolvido depende da disponibilidade do dono, tal como a contratação de profissionais e acompanhamento dos serviços prestados.

A questão da segurança também é uma das desvantagens, principalmente em cidades grandes. Teoricamente, uma casa é mais vulnerável que um apartamento, especialmente para quem fica muito tempo fora de casa. Se você é uma pessoa que gosta de viajar, deixar a casa sozinha pode ser uma dor de cabeça. Com o passar dos dias a correspondência acumulada e sujeira dão sinais de que não há ninguém em casa, podendo atrair pessoas mal intencionadas.


Apartamento – Praticidade e Infraestrutura

 

Diante de uma vida cada vez mais corrida, muitas pessoas têm priorizado a praticidade e infraestrutura por trás dos apartamentos. Os condomínios contam com pessoas responsáveis por gerenciar o imóvel e equipes terceirizadas para cuidar do bom funcionamento das áreas comuns. Ideal para quem deseja diminuir as preocupações do dia a dia com limpeza e manutenção, e até mesmo os custos, já que eles são divididos entre todos os condôminos.

Para se afastar dos perigos da vida cotidiana e em busca de mais segurança, cada vez mais pessoas tem optado por morar em apartamentos. O sistema de portaria dos prédios que assegura o controle de quem entra e sai, assim como, a vigilância patrimonial 24 horas, se tornou um grande atrativo.

Além disso, outro ponto positivo muito forte, são as várias opções de lazer que os condomínios de prédios oferecem aos condôminos, projetadas assim, para aumentar a qualidade de vida dos moradores, otimizando o uso do tempo. Áreas com piscina, playground, churrasqueira, salão de festas, quadras poliesportivas, academia e estacionamento, são os seus diferenciais. Sendo isso, é perfeito para as pessoas com rotinas atarefadas e que no tempo livre, preferem passar mais tempo em casa, sem precisar se deslocar, aproveitando melhor assim a família, sem contar na economia.

A localização também é uma das vantagens dos apartamentos. Normalmente, os prédios estão localizados em áreas com bastante estabelecimentos para atender as rotinas diárias, como supermercados, padarias, farmácias, escolas e bancos, por exemplo. Se você optar por um imóvel em uma área nova, pode ter certeza que esses comércios naturalmente irão se desenvolver na vizinhança para atender a demanda dos moradores.


Condomínio, privacidade e normas internas

 

Todas essas facilidades têm um custo para serem mantidas, e essa pode ser a grande desvantagem por detrás da escolha dos apartamentos. Quanto mais completa a infraestrutura proporcionada maiores serão as taxas de condomínio.

Nesse caso mesmo que você já tenha quitado o imóvel, será necessário arcar com as taxas de condomínio e incluí-las como custos fixo do imóvel, geralmente mensais, independente se estiver usufruindo ou não de tudo que o condomínio tem a oferecer. É importante lembrar que os valores de condomínio sofrem ajustes periódicos, se informe e não se esqueça de colocar tudo na ponta do lápis, porque o atraso das mensalidades pode gerar problemas judiciais.

Outra desvantagem é a proximidade física dos vizinhos e a necessidade de convivência com pessoas que você não conhece, que implica na perda de privacidade. Além de problemas com rotinas diferentes, você encontrará também, incômodos como: os ruídos de móveis arrastando, portas batendo, conversas, música alta e outros barulhos resultantes de apartamentos com baixo isolamento acústico.

O respeito ao regimento interno e burocracias que envolvem a vida em condomínio, também pode ser visto como um ponto negativo. Normas em relação aos horários e princípios de uso das áreas comuns, das vagas de garagem, participação em reuniões periódicas e demais acertos internos fundamentais para o bom funcionamento da vida dos condôminos.

As duas alternativas são ótimas opções para se morar. Cada uma com as suas particularidades, pontos positivos e negativos para agradar todos os perfis de moradores. Analise bem a sua rotina, descubra o que é que você não abre mão e o que você pode fazer para se adequar a viver a vida que deseja. Invista já no seu próprio imóvel!

 

Cadastre e receba mais informações!

Leia mais

Projeto Casa dos Sonhos

A BrDU Urbanismo é a sua parceira de todas as horas.

O projeto Casa dos Sonhos oferece os melhores incentivos para você em todos os momentos, desde a compra do seu lote até a construção da sua casa. Com esse programa, você encontra a assistência e o apoio que precisa para sair do aluguel e começar a ser feliz agora!

  • INDICAÇÃO DE FORNECEDORES/ PARCEIROS COM EQUIPES ESPECIALIZADAS NA CONSTRUÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA OBRA.
  • ORIENTAÇÕES CADASTRAIS
  • PROJETO ARQUITETÔNICO SUGERIDO
  • AQUISIÇÃO DE LOTE
  • FINANCIAMENTO BANCÁRIO/ INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

A sua casa própria acaba de ficar mais próxima. Vem pra cá!

 

Acesse nossos canais de atendimento e saiba mais 🙂

0800 601 9199

62 9 9373 2505

casadossonhos@brdu.com.br

Leia mais

Plantio de mudas no Residencial Verona

Várias pessoas participaram da ação ambiental na nascente do Riacho Capivara

Com o objetivo de contribuir com reflorestamento e proporcionar um ambiente mais ecológico para as famílias, a BrDU Urbanismo organizou  uma ação de plantio de mudas na Área de Preservação Permanente (APP) do Residencial Verona na manhã do último sábado (28) e contou com a ajuda dos moradores do empreendimento. Na ocasião, foi realizada também a 2ª edição do “BrDU Itinerante”.

Clientes BrDU Urbanismo

A extensão do plantio é localizada às margens do Riacho Capivara, a escolha do local busca fortalecer e preservar a nascente do riacho e evitar o assorea

mento.

O gerente e organizador da ação, Kell Batista, explica que iniciativas como estas são essenciais para a sustentabilidade. “Além de oportunizarmos experiências construtivas para os moradores, acerca do desejo de melhorar o mundo através da natureza, também conscientizamos eles sobre o importante papel de contribuir para a preservação do meio ambiente”.

Durante a ação, foram plantadas mais de 500 mudas de árvores de espécies frutíferas e ornamentais como pés de buriti, manga, jaca, aroeira, mogno, palmeira de jerivá e ipês amarelo, branco, rosa e roxo.

“Eu gostei muito da ação! Foi muito bom ter um momento de atividade em família, poder trazer meus filhos para participarem e aprenderem como plantar é muito gratificante. Sem contar a importância de deixar natureza para o futuro dos nossos filhos e netos. Então foi muito bom”, Lubiane Oliveira, moradora do Residencial Verona.

Essa foi a terceira etapa do plantio, que pretende se estender em um programa organizado pelos moradores e a equipe da construtora. “Estamos tentando fazer a implantação de um programa de arborização urbana nos espaços públicos e nas áreas de preservação. Essa é a terceira vez que plantamos árvores, pois vemos a proteção e cuidado ao meio ambiente como um desafio a ser cumprido”, conclui Batista.

 

Assessoria de Imprensa

Leia mais

Entrevista: Ciça Gorski

Viver em meio à natureza é um privilégio. A BrDU Urbanismo tem como pilar o cuidado com os recursos naturais e por isso, nossos loteamentos contam com mata nativa preservada, nascentes e lagos. Tudo para que as pessoas tenham mais ar puro e mais contato com o verde no quintal de casa.

A BrDU Urbanismo entrevistou a arquiteta responsável pelo projeto urbanístico do condomínio Villagio Azzure, Maria Cecília Barbieri Gorski (Ciça Gorski) – Sócia Diretora da Barbieri da Gorski Arquitetos Associados. Confira e conheça mais sobre o premiado Villagio Azzure:

 

BU- No que consiste o projeto que você desenvolveu para o Villagio Azzure?

CG – Em dar uma unidade para o espaço como um todo valorizando-o e criar lugares a partir do potencial dos recursos naturais existentes, o relevo, os cursos d’água, a vegetação, os eixos visuais.

 

BU- O que te inspirou no projeto do Villagio Azzure?

CG – A característica mais marcante do sítio onde está sendo implantado o empreendimento é a presença dos verdadeiros parques lineares que se desenham em seus vales, ladeando os córregos. Tudo se desenvolve entre eles.

 

BU- Como você imaginou ele se integrando com o conceito do condomínio e no estilo de vida dos moradores?

CG – Os elementos enfatizados no parágrafos anteriores proporcionarão aos futuros moradores o privilégio de conviver num ambiente em que os recursos naturais preservados a serem protegidos fazem parte de um quadro muito mais amplo, integram e alimentam a bacia hidrográfica do rio Tietê, com suas nascentes. Este penso que seja o grande diferencial desta área. A fauna e a flora aí presentes merecerão ser melhor conhecidas pelas mãos de biólogos e botânicos que aí podem pesquisar e catalogar as espécies, proporcionando aos condôminos a conscientização da riqueza onde se inserem.

Todos os equipamentos de lazer que comporão o cardápio de atividades do condomínio serão implantados em áreas a serem arborizadas com as espécies compatíveis com este ambiente e pensados de modo a usufruir do cenário que o sítio oferece.

 

 

Condomínio em SP
Lotes em Itupeva 
Leia mais