Um dos maiores desafios na hora de comprar um imóvel é, escolher entre uma casa ou um apartamento. Temos diante de nós uma infinidade de fatores a serem analisados, e todos eles parecem igualmente importantes. Se você está neste momento, procurando o que é o melhor para você e sua família, vai entender perfeitamente o que estamos falando. E para te ajudar nessa, nós reunimos algumas das vantagens e desvantagens de cada tipo de imóvel.


Para começar…

 

Antes de tudo, você precisa conhecer bem seu estilo de vida e suas necessidades diárias. Esse autoconhecimento torna possível a análise das particularidades de cada tipo de imóvel pelo que é mais adequado para você. Muitas vezes o que é um ponto positivo para a maioria das pessoas pode não ser para você, e vice-versa. Para um casal com filhos, por exemplo, a infraestrutura de lazer de um prédio é tida como uma vantagem, no entanto, para um jovem que acabou de sair da faculdade ela pode representar gastos maiores em decorrência do condomínio e tende a ser uma desvantagem.

Geralmente, um ponto positivo virá acompanhado de um negativo. Mas a partir do entendimento da sua rotina, você coloca todos os prós e contras na balança e assim pode tomar uma decisão mais assertiva. Confira algumas das vantagens e desvantagens de se morar em uma casa e em um apartamento.


Casa – Espaço e Autonomia

 

A questão do espaço é a vantagem mais falada pelas pessoas que optam por morar em uma casa, principalmente pela possibilidade de espaços extras. É fator decisivo para famílias maiores, porque é possível ter áreas externas particulares; um ou vários animais de estimação, jardim para cuidar das plantas e também, criar espaços de lazer personalizados com churrasqueira ou piscina, por exemplo.

Outro ponto importante é que, esse espaço físico maior reflete diretamente no nível de privacidade do morador, afinal, é ele quem escolhe quem pode ou não entrar na sua casa. A distância dos vizinhos também é maior do que nos apartamentos, então, é possível aproveitar as áreas externas sem a necessidade de conviver com pessoas desconhecidas.

A autonomia é um dos pontos que pesam bastante durante o processo de escolha. Optando por morar em uma casa, é você quem estabelece as regras, pode realizar mudanças no imóvel da forma como quiser, e no tempo que preferir, diferentemente do que ocorre em apartamentos, onde há mais burocracia e é preciso respeitar as normas impostas pelo condomínio.


Para colocar na balança

 

Em comparação aos apartamentos, os pontos nem tão positivos assim, envolvem gastos mais altos com a manutenção obrigatória, consertos e melhorias, que ficam a cargo do proprietário. Além dos custos financeiros, a demanda de tempo também deve ser considerada, uma vez que, tudo que precisa ser resolvido depende da disponibilidade do dono, tal como a contratação de profissionais e acompanhamento dos serviços prestados.

A questão da segurança também é uma das desvantagens, principalmente em cidades grandes. Teoricamente, uma casa é mais vulnerável que um apartamento, especialmente para quem fica muito tempo fora de casa. Se você é uma pessoa que gosta de viajar, deixar a casa sozinha pode ser uma dor de cabeça. Com o passar dos dias a correspondência acumulada e sujeira dão sinais de que não há ninguém em casa, podendo atrair pessoas mal intencionadas.


Apartamento – Praticidade e Infraestrutura

 

Diante de uma vida cada vez mais corrida, muitas pessoas têm priorizado a praticidade e infraestrutura por trás dos apartamentos. Os condomínios contam com pessoas responsáveis por gerenciar o imóvel e equipes terceirizadas para cuidar do bom funcionamento das áreas comuns. Ideal para quem deseja diminuir as preocupações do dia a dia com limpeza e manutenção, e até mesmo os custos, já que eles são divididos entre todos os condôminos.

Para se afastar dos perigos da vida cotidiana e em busca de mais segurança, cada vez mais pessoas tem optado por morar em apartamentos. O sistema de portaria dos prédios que assegura o controle de quem entra e sai, assim como, a vigilância patrimonial 24 horas, se tornou um grande atrativo.

Além disso, outro ponto positivo muito forte, são as várias opções de lazer que os condomínios de prédios oferecem aos condôminos, projetadas assim, para aumentar a qualidade de vida dos moradores, otimizando o uso do tempo. Áreas com piscina, playground, churrasqueira, salão de festas, quadras poliesportivas, academia e estacionamento, são os seus diferenciais. Sendo isso, é perfeito para as pessoas com rotinas atarefadas e que no tempo livre, preferem passar mais tempo em casa, sem precisar se deslocar, aproveitando melhor assim a família, sem contar na economia.

A localização também é uma das vantagens dos apartamentos. Normalmente, os prédios estão localizados em áreas com bastante estabelecimentos para atender as rotinas diárias, como supermercados, padarias, farmácias, escolas e bancos, por exemplo. Se você optar por um imóvel em uma área nova, pode ter certeza que esses comércios naturalmente irão se desenvolver na vizinhança para atender a demanda dos moradores.


Condomínio, privacidade e normas internas

 

Todas essas facilidades têm um custo para serem mantidas, e essa pode ser a grande desvantagem por detrás da escolha dos apartamentos. Quanto mais completa a infraestrutura proporcionada maiores serão as taxas de condomínio.

Nesse caso mesmo que você já tenha quitado o imóvel, será necessário arcar com as taxas de condomínio e incluí-las como custos fixo do imóvel, geralmente mensais, independente se estiver usufruindo ou não de tudo que o condomínio tem a oferecer. É importante lembrar que os valores de condomínio sofrem ajustes periódicos, se informe e não se esqueça de colocar tudo na ponta do lápis, porque o atraso das mensalidades pode gerar problemas judiciais.

Outra desvantagem é a proximidade física dos vizinhos e a necessidade de convivência com pessoas que você não conhece, que implica na perda de privacidade. Além de problemas com rotinas diferentes, você encontrará também, incômodos como: os ruídos de móveis arrastando, portas batendo, conversas, música alta e outros barulhos resultantes de apartamentos com baixo isolamento acústico.

O respeito ao regimento interno e burocracias que envolvem a vida em condomínio, também pode ser visto como um ponto negativo. Normas em relação aos horários e princípios de uso das áreas comuns, das vagas de garagem, participação em reuniões periódicas e demais acertos internos fundamentais para o bom funcionamento da vida dos condôminos.

As duas alternativas são ótimas opções para se morar. Cada uma com as suas particularidades, pontos positivos e negativos para agradar todos os perfis de moradores. Analise bem a sua rotina, descubra o que é que você não abre mão e o que você pode fazer para se adequar a viver a vida que deseja. Invista já no seu próprio imóvel!

 

Cadastre e receba mais informações!